Perito federal representa o Brasil em evento de grupo de trabalho científico internacional

Perito federal representa o Brasil em evento de grupo de trabalho científico internacional

O segundo encontro do Grupo Internacional de Trabalho Científico em Identificação Facial (FISWG) em 2019 contou com a presença inédita de um representante da Polícia Federal brasileira. Trata-se do perito criminal federal Rafael Oliveira Ribeiro, chefe do Serviço de Perícias em Audiovisual e Eletrônicos (Sepael) do Instituto Nacional de Criminalística (INC). 

A reunião do colegiado aconteceu entre os dias 21 e 25 de outubro, nas dependências do FBI, nos Estados Unidos. Na oportunidade, Rafael participou das discussões que ocorreram no evento. Em sua apresentação, ele abordou a atuação dos peritos federais na realização do exame de comparação facial e destacou as atividades relacionadas a pesquisas na área. 

Rafael também apresentou o Peritus, software integrado de análise forense de vestígios multimídia que inclui funcionalidades para comparação facial. Diversas agências, entre elas a Europol e a Polícia Nacional da Noruega, demonstraram interesse em utilizar o sistema 100% brasileiro e desenvolvido pelo Sepael.

O grupo de trabalho científico, composto por instituições de pesquisa internacionais e órgãos policiais e de perícia de diversos países, como FBI, Netherlands Forensic Institute (NFI) e Polícia Federal Australiana, tem como missão principal o estabelecimento de diretrizes e orientações para a utilização de sistemas automatizados de reconhecimento facial e para a realização de exames de comparação facial.

Dentre os temas tratados no evento, está a adoção de uma escala verbal qualitativa para expressão dos resultados dos exames e a correta interpretação e utilização dos resultados dos sistemas automatizados de reconhecimento facial.

“É de se destacar o pioneirismo do INC nessa área. Desde 2013, a metodologia empregada nos exames comparativos de biometrias prevê a utilização de uma escala verbal qualitativa de razão de verossimilhança. Já a discussão sobre a interpretação e utilização dos resultados dos sistemas automatizados é de especial interesse para o Brasil neste momento em que está sendo debatido a implementação da Rede Integrada de Bancos Multibiométricos”, destaca Rafael. 

5ª feira, 7 de novembro do 2019